História da orientação – o desporto dos aventureiros

A orientação é um dos desportos de aventura que mais se tem evidenciado nos últimos anos e o seu sucesso atrai milhares de praticantes, de várias idades, em todo o mundo. Conheça a história da Orientação e saiba o porquê deste ser um desporto para o seu lado aventureiro.

O que é a Orientação

A Orientação é uma atividade desportiva que tem como objetivo principal o percorrer de uma determinada distância em qualquer tipo de terreno, obrigando o participante a passar por diversos postos de controlo. Antes do início de cada prova, todos os praticantes têm acesso a um mapa onde verificam os locais que são de passagem obrigatória. No terreno, cada desportista passa pelo local que está marcado no mapa (balizas) e introduz o seu cartão de controlo (identificador) numa estação eletrónica que confirma a sua passagem.

Percursos

À semelhança do Trekking, os percursos onde se desenrolam as provas de Orientação são muito variados e as características do terreno são distintas: superfícies de areia, vegetação cerrada, áreas rochosas e acidentadas, entre outros. No entanto, existem percursos mais fáceis para principiantes (curto e/ou longo).

Itinerário

Cada praticante escolhe o seu próprio itinerário e isso dá-lhe a liberdade suficiente para apreciar a fauna que o rodeia, fazendo com que ele próprio seja uma parte integrante do espaço que percorre. Esta sensação de perfeita comunhão com a natureza envolvente é a maior beleza deste desporto e é por isso que a Orientação é considerada o desporto dos aventureiros.

Tipos de orientação

A Orientação é praticada em várias disciplinas diferentes, como a Orientação Pedestre, Orientação em BTT, Corridas de Aventura e Trail Orienteering (para deficientes motores). Para além destas disciplinas com quadros competitivos nacionais e internacionais, existem também provas de Orientação a cavalo e em canoa, entre outras.

A Orientação é, sem dúvida, um desporto completo que faz bem ao corpo e à alma, pois permite um contacto mais próximo com a natureza e possibilita a realização de novas amizades entre todos os participantes.

A História da Orientação

A Orientação surgiu em finais do século XIX (1850) nos países escandinavos e as suas raízes estão diretamente relacionadas com a vertente militar. As tropas realizavam entre si pequenos exercícios de orientação que tinham como objetivo principal o reforço dos elos de camaradagem de todos os elementos e o fortalecimento do espírito de grupo.

No entanto, a Orientação como desporto começou apenas a dar os primeiros passos em 1912, pela mão do Major e líder escoteiro sueco Ernst Killander, considerado o pai da Orientação. O Major chamou a atenção de todos os jovens que se afastavam da corrida e do atletismo (as principais competições da época) e trouxe-os para esta “nova forma de correr”. A Maratona ficou assim dividida em três provas, onde a disciplina da leitura por carta e a perceção da Orientação foram adicionadas.

A 25 Março de 1919 deu-se a primeira competição oficial de Orientação, na denominada "Corrida de Estocolmo", que teve como diretor de prova Ernst Killander. A prova ocorreu perto de Saltsjöbaden, reuniu mais de 200 participantes e foi organizada pela Federação de Desportos de Estocolmo. A competição tinha uma extensão de 12 quilómetros e apenas 3 postos de controlo e foi considerada um autêntico sucesso mundial. A partir deste momento, a Orientação não mais parou de crescer como desporto e atualmente tem milhares de praticantes em todo o planeta.

A história da Orientação em Portugal

Em Portugal, a Orientação começou a ser conhecida em 1973 com o primeiro Campeonato das Forças Armadas que se realizou em Mafra, destacando-se na sua participação as forças especiais do Exército e da Força Aérea (paraquedistas). Porém, só no ano de 1987, com a formação da Associação Portuguesa de Orientação (APORT), é que se começaram a promover alguns encontros e a produzir os primeiros mapas adequados à prática da modalidade, obedecendo às normas da Federação Internacional (IOF – International Orienteering Federation).

Alguns anos mais tarde, nomeadamente no ano de 1990, foi fundada a Federação Portuguesa de Orientação e Portugal passou a ser membro efetivo da IOF.

É, sem dúvida, um dos desportos de eleição para todos os atletas que procuram um refúgio mais natural ou uma atividade que lhes permita ter um contacto mais próximo e relaxante com a Mãe Natureza.

A história da Orientação no Brasil

A Orientação chegou ao Brasil na década de 70, nomeadamente no ano de 1971 pela mão do Coronel Tolentino Paz. Ele foi o responsável máximo pela introdução e organização das primeiras competições militares de Orientação no Brasil.

Em 1974, este desporto foi incluído como disciplina obrigatória na Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx) pelo Ministério de Educação e Cultura (MEC) e era visto como uma modalidade que disciplinava o corpo e a mente.

Nos anos seguintes, a competição de Orientação foi divulgada a outras organizações civis e militares e, desde então, sucederam-se várias demonstrações, torneios e campeonatos que fizeram com que este desporto de aventura crescesse para um patamar de excelência e reconhecimento nacional.

No dia 11 de Janeiro de 1999, foi fundada a Confederação Brasileira de Orientação (CBO), sendo eleito como primeiro presidente o Sr. José Otavio Franco Dornelles. A CBO ficou assim responsável por administrar o desporto Orientação no Brasil e, desde então, que a popularidade desta atividade não mais parou de crescer.

A sua votação: 
Average: 4 (7 votos)